Institucional
Banco de Imagens
Vídeos
 

Assessoria de Imprensa - FAAP

Tel: (11) 3662-7270 / 7271/ 7029

Tatiana Serafino
tserafino@faap.br

Fabiana Dourado
fabiana@oboecomunicacao.com.br

Iracema de Carvalho
iracema@oboecomunicacao.com.br

 

 
Apresentação  |  Últimas Notícias
 

NOVO ESTUDO DA FAAP ANALISA QUEM DOMINOU AS

REDES SOCIAIS NA FASE DE PRÉ-CAMPANHA

O Núcleo de Inovação em Mídia Digital (NiMD) da Faculdade Armando Alvares Penteado (FAAP) realizou um novo estudo, em parceria com a Socialbakers, para analisar o desempenho dos candidatos à Presidência da República, ainda na pré-campanha.

No total, o estudo "Que pré-candidato dominou as redes? Fatos e mitos das pré-campanhas" acompanhou 14 nomes, entre 16 de abril e 12 de agosto, véspera do registro oficial das candidaturas. Muitos candidatos não sobreviveram, mas foram estudados até o fim e são personagens relevantes na abordagem deste estudo, que ajuda a entender e interpretar o impacto que vêm obtendo na fase atual da campanha.

"A ideia não foi avaliar o conteúdo de suas publicações, mas, sim, explicar qual é o valor das mídias digitais para a política, como elas são usadas (ou mal-usadas) e, nesse sentido, quem manuseou a ferramenta da melhor forma", explica o autor do estudo, o professor da FAAP, Victor Dias Grinberg, que contou com apoio dos alunos Fernando Brandão Schirra, Isabela Felix, Natalia Marioto e Siqueira Victoria Castelli.

Com o objetivo de saber quem teria se saído melhor nesse período de pré-campanha, o estudo mostra alguns indicadores: crescimento de fãs, número de postagens e engajamento. A partir daí, a análise seguiu para casos mais pontuais, como o do Jair Bolsonaro, que em um primeiro momento passava a percepção de maior crescimento. No entanto, isso não ocorreu, apesar da alta popularidade e intensidade de seus seguidores nas redes - ainda com integração de perfis falsos e robôs em sua base.

O grande nome foi justamente do outro espectro político, a então candidata Manuela D'Ávila (PCdoB), atualmente candidata a vice na chapa de Fernando Haddad, que saiu desse processo com quase 200 mil seguidores a mais em seu Facebook. Isso aconteceu porque, no caso das páginas dos pré-candidatos, a projeção das ideias nesse ambiente digital depende do número de curtidas ou compartilhamentos das postagens, para ampliar a permeabilidade do conteúdo.

Existe uma ala extremamente conservadora na internet

O interesse por essa informação tem relação com o quanto o período de pré-campanha foi impactante para a projeção do pré-candidato. Por exemplo, Jair Bolsonaro tem a maior audiência, com mais de 5,3 milhões de seguidores. No entanto, em quase 4 meses, o crescimento de seus seguidores foi menor do que 4%.

Por outro lado, os quatro grandes expoentes desses meses foram Guilherme Boulos, que quase dobrou sua base de seguidores; Flávio Rocha, chegando perto dos 30% de crescimento; Manuela D'Ávila, que foi quem mais cresceu em números absolutos; e Ciro Gomes com cerca de 20%.

Mesmo quando o público potencial impactado é menor, a forma como ele se relaciona com o conteúdo é mais significativa, o que, consequentemente, ajuda o pré-candidato a permear mais fortemente na tessitura dessa mídia social.

Algumas considerações ajudam a entender o estudo, conforme detalha o professor Victor. Jair Bolsonaro, de fato, tem a maior taxa de engajamento, 4,3 vezes maior do que a do segundo colocado - o ex-presidente Lula. Isso pode ser atribuído, parcialmente, ao fato de detratores do pré-candidato usarem o espaço de comentários para rebater ideias e, artificialmente, manter o engajamento alto nas postagens. Outro fator é a grande projeção dos compartilhamentos, feitos por uma ala extremamente conservadora na Internet.

Negativamente, Manuela D'Ávila, Guilherme Boulos e Alvaro Dias têm engajamento baixo porque fizeram postagens desproporcionais. Enquanto a maioria dos candidatos tem, em média, de uma a três postagens por dia - salvo Lula, com oito - esses três, respectivamente, faziam 18, 11 e 14 posts por dia, em média, no Facebook. Isso, por características de programação, torna o conteúdo menos relevante, o que dificulta a consolidação de uma estratégia adequada.

O estudo completo sobre "Que pré-candidato dominou as redes? Fatos e mitos das pré-campanhas" está disponível no link: www.faap.br/nimd.

 

Sobre a Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP)

Sustentada em três pilares: tradição, cultura e inovação, a FAAP é hoje um grande polo de educação, com Ensino Médio, 17 cursos de graduação, nas áreas de Exatas e Humanas, pós-graduação, cursos de aperfeiçoamento de curta-duração, além de programas de idiomas, intercâmbio e eventos de alto nível que complementam a formação do aluno.  Além de São Paulo, a FAAP está presente em São José dos Campos, em Ribeirão Preto e em Brasília.